O Caminho

"Este caminho é tão estranho, tão tão estranho. Sentada ao lado da minha gata, observo casais a darem vida aos cortinados de janelas distantes, acendo um cigarro e vou deixando que o fumo me leve com ele. Aquelas pernas são agora as minhas, aqueles braços, o suor, as dobras na roupa que vai caindo pelo chão, os músculos tensos, delicioso.

Tenho em mim a melancolia do mundo, isso é que é a verdade, rejeitada por quem não quer ver e sente o incómodo de poder ter mais uma coisinha com que se preocupar no seu dia-a-dia. Azar, não podemos estar sempre contentes e com um sorriso na cara e eu, neste momento, não estou nada, mas nada, contente. No entanto, este cigarro conforta-me, o bom cinema conforta-me, o vinho conforta-me, a música conforta-me, o chão gasto por danças neuróticas conforta-me, perder-me, conforta-me.

Vamos para dentro bichano, já chega disto."

Nuno Almeida, Ecos de Gravidade, 2010

2 comentar

Click here for comentar
10 julho, 2010 19:05 ×

Nice e com essa musica, enfim...

Reply
avatar
Azelpds
admin
10 julho, 2010 23:21 ×

É das que mais gosto deles e inspira-me sempre. :)

Reply
avatar