O Sentido das Coisas

"Estamos a ir por caminhos opostos, uma conclusão que já existia há algum tempo na cabeça e ausente de juízos simplistas como certo, errado, mau ou bom. Não porque andamos a conhecer outras pessoas, não porque passamos as noites sem dormir ou porque a vida nos cansa com o seu fastio. Não.

O silêncio é que nos mata, as faltas de partilhas, das mais banais às mais profundas, as pequeninas realidades que nos dizem que ainda temos o mesmo andar, a comunicação em monólogos, virada para dentro e expelida de um só lado, mata-nos. No meio disto, um corpo é só isso, um corpo, dois, três e quatro, são vários, uma orgia de momentos, uns bonitos, outros nem tanto, outros uma descompressão que nos deixa a respirar um nadinha mais lentamente, um nada no que realmente importa.

É quando recebemos uma prenda amiga, inesperada, de quem está sempre ali, para nós, que percebemos o quão distante estamos. É ali, nos dias que passamos a falar com outras pessoas, sem darmos por isso, que percebemos a transferência ocorrida da química dos acasos e é aí, quando as palavras fogem pelas ruas e céus da boca de rapazes e raparigas interessantes, que percebemos que ainda acreditamos no amor… marginal, das roulottes que abanam no Verão com as festas da rebeldia, da pressa de ver as estrelas a pingar das janelas desfocadas pela fragilidade das suspensões, das manchas na pele, negras, do pó que decora o chão onde gostamos de ouvir o som da morbidez e dançar de vestidinhos curtos e tronco nu. É aí, sim, que percebemos o sentido das coisas e que o silêncio, esse, sim, aspira à eternidade, permanente no seu percurso natural de separar a nudez das complicações em círculos."

Nuno Almeida, Ecos de Gravidade, 2010

Let the wind fulfil your dreams
Guardar [MP3, ZIP] Duração [31:30] Data: 15-06-2010

Playlist:
01. Blue Hawaii - Castle Of Clouds
02. Almost Charlie - For the both of us
03. Kent - Palace & Main
04. Stars - Ageless Beauty
05. Mercury Rev - People Are So Unpredictable (There's No Bliss Like Home)
06. Seabound - Point Break
07. Swandive - Losing My Religion
08. Archive - Parvaneh (Butterfly)

2 comentar

Click here for comentar
elsafer
admin
16 junho, 2010 08:46 ×

mais uma vez as tuas palavras dizem-nos algo .
no infinito das nossas vivências algo nos parece semelhante , próximo .
será que inspiração poética ? será que todos temos um pouco da alma do artista .
não , tu lês nossas almas

Reply
avatar
Azelpds
admin
16 junho, 2010 08:59 ×

Obrigado. :)

Pessoalmente, gosto muito como isto saiu, primeiro as palavras, depois a música também, teve qualquer coisa, a narrativa, as imagens que estavam na cabeça, inspiradas por vivências lá está, que acabam por fundir-se. :)

Reply
avatar