Sim

"Despia-me para ti agora, pela necessidade de dar-me, porque quero, porque gosto de ti, assim, no duelo das línguas em forma de espadas. Que se fodam os azulejos que caíram ao chão, só as paredes é que nos entendem. Pinta-me de negro as vezes que quiseres."

Nuno Almeida, Crónicas, 2010

4 comentar

Click here for comentar
azul
admin
24 janeiro, 2010 14:26 ×

dos golpes pintados de um negro absoluto sobre a pele, acho isto..

'pensei que era um silêncio até se fazer silêncio.[há quem saiba pendurar a existência na cadeira, como um casaco.e há quem seja ferido em cada passo*]. às vezes viro-me e cheiro o teu cheiro. e não consigo continuar foda-se sem exprimir esta merda física horrível dolorosa saudade que tenho de ti. às 4:48 quando o desespero me visitar enforco-me ao som da respiração do meu amante.'

[4:48 psychosis_sarah kane]
[* pedro jordão]

..................

Reply
avatar
Azelpds
admin
24 janeiro, 2010 14:49 ×

:)

Inconscientemente, olhando assim para as palavras depois, algo me diz que parte deste texto poderá ter influências dela à mistura com a fase 'lugares comuns'.

Ao olhar depois para isto, quando já estava mais em mim digamos, achei por bem separar dos outros conjuntos porque isto não pertence a eles, isto é outra coisa, não sei se relacionada com algo na cabeça há algum tempo com cargas mais eróticas e cruas, ou se simplesmente os 'Retratos' acabaram e começa aqui algo novo...

Bonito excerto, ela tem uma maneira de dizer as coisas muito dela, expressando mesmo 'aquilo', como é. :)

Reply
avatar
elsafer
admin
25 janeiro, 2010 15:42 ×

quase me sinto despida de pensamentos , só com um cheiro, com um toque das palavras , ou do colorido das imagens que me vêm á memória.

Reply
avatar
Azelpds
admin
25 janeiro, 2010 16:45 ×

:)

Olho para elas e gosto mesmo do que saiu naquele momento e da maneira como saiu, de rompante, sem pedir licença. Diz tanto e um nada ao mesmo tempo.

:)

Reply
avatar