Nana: Os caminhos sinuosos do romance e da amizade

Série de TV (Anime)
(2006/2007)

47 episódios

Obras semelhantes, ou para os apreciadores de:
Paradise Kiss, Honey and Clover, Hana Yori Dango, Full Moon wo Sagashite, Beck, Nodame Cantabile











Longe de pertencer a um género que me despertasse a atenção na altura, Nana é uma série que nos consegue apanhar totalmente de surpresa. O cepticismo era elevado, a desconfiança imperava e os olhos teimavam em continuar fechados, mas ao ler algumas opiniões em fóruns a que nos habituamos a confiar com o tempo, o interesse começou a surgir e, depois de visualizar o primeiro episódio, tornou-se impossível parar.



A série foca-se em duas personagens femininas que partilham o mesmo nome, Nana. Ambas decidem viajar aos 19 anos de idade para Tóquio em busca dos seus sonhos, com o acaso do destino a permitir que se encontrem no caminho até lá. A premissa soa simples e algo vaga, mas depressa a narrativa se irá complicar no decurso da história.



Nana é o relato do dia-a-dia dessas personagens e de várias outras que orbitam ao seu redor, com todas elas a merecerem importância. Este é um dos grandes pontos fortes desta obra, a caracterização, que de tão boa pode levar o espectador a preocupar-se, sorrir, chorar ou rir com o que vai acontecendo a cada uma. A narrativa consegue dosear vários momentos cómicos com o carácter sério de todo o resto. Por vezes o melodrama é tanto e tão angustiante que roça, perigosamente, ambientes de telenovela em algumas ocasiões devido às reviravoltas da história.



De modo a distinguirmos as duas personagens principais, elas têm o nome de Komatsu Nana (cuja alcunha é “Hachi”) e Oosaki Nana. A primeira aparenta ser uma adolescente normal, com uma queda para os namoros destrutivos que deixam antever carências afectivas. A segunda sonha seguir a música e é líder do grupo punk rock “Black Stones”. Esta última personagem, apesar do aspecto e atitude rebelde, revela-se como a mais equilibrada das duas e mantém um relacionamento de longa data com Ren, guitarrista do grupo rival “Trapnest”. A ligação e amizade que vai crescendo entre as duas Nanas é um regalo de se ver e oferece momentos verdadeiramente emocionantes devido à forma de como ambas se comportam e ao realismo de como tudo é retratado.



A vertente musical é digna de nota e a relação entre as bandas “Black Stones” e "Trapnest” é um dos temas centrais de Nana. As músicas e performances são de um gosto peculiar, mas funcionam de maneira exemplar no contexto da série, a que se junta a direcção de arte. Esta transborda de forma mais evidente nas personagens, em particular no que elas vestem, que é de uma beleza singular e consegue dar mais emoção, de certo modo, a muitas das cenas.



O único senão desta série, é que ela não acaba porque é adaptada, de forma fiel, da manga homónima que ainda não terminou no Japão devido a doença prolongada da autora. Por essa razão, a história da série acaba num daqueles impasses terríveis, em que é impossível descortinar o que irá acontecer às personagens e narrativa tal a jornada de todas até essa altura. Existiam fortes rumores que a manga iria terminar no ano seguinte e que, depois disso, haveria uma segunda temporada para adaptar o resto da história, mas como isso não aconteceu e a incerteza é total, o espectador ficará algo à deriva no final desta série.

Apesar das aparências iniciais que tendem para o estereótipo, da quantidade de drama, do foco e maneira particular com que aborda romance, amizade e a passagem da adolescência para a idade adulta, Nana não se dirige apenas ao público feminino. Pelo contrário, pode agradar perfeitamente a qualquer pessoa, com especial ênfase a quem pertence a uma faixa etária mais madura, o que lhe irá permitir relacionar-se de outra forma com os acontecimentos na série.

4 comentar

Click here for comentar
01 julho, 2008 13:55 ×

Olha parece ser bem fixe!!! :)

E se está ao mesmo 'nível' da Monster que já tive oportunidade de ver alguns episódios e gostei bastante, então também quero ver esta! :)

Oba oba!!

Qualquer dia temos que combinar uma sessão de non stop anime! Pipocas, batatas frias, gomas até dizer chega e temos um programa daqueles dignos de se 'ver'. :)

E então? Na minha casa ou na tua?.. :)

**

Reply
avatar
Azelpds
admin
01 julho, 2008 14:04 ×

:)

Elas são bue diferentes, mas ya, cada uma vicia no seu género. Algo me diz que poderás gostar desta também, talvez até mais. :p

Hmm, parece-me ser um bom programa, se bem que gomas é perigoso porque mete-me em modo de piolho eléctrico. ;)

Tendo em conta a quantidade de hipóteses, acho que podemos dividir bem entre a minha casa, e a tua. :p

Reply
avatar
01 julho, 2008 14:49 ×

:) Parece-me bem.. :D

**

Reply
avatar